segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

CONTINGÊNCIA DO PAULISTANO
para Carlos Drummond de Andrade

Oitenta por cento de borracha no chão.
Noventa por cento de fumaça no ar.
Cem por cento de concreto no cidadão.

Cimento sobre os córregos,
carros sobre avenidas,
viadutos sobre todos os outros
e gente abaixo destes.

No meio do caminho tinha um corpo,
tinha um corpo no meio do caminho.
Mas o homem atrás do terno passa apressado,
nem ligando.

É preciso abrir caminho,
a locomotiva vai passar,
precisa passar,
o carro precisa passar,
o edifício precisa subir.
São Paulo não pode parar.

Helicópteros entre as construções.
Gente entre carros.
Carros entre carros
(uma pessoa em cada carro)

Meu Deus! Pra que tanto carro?





quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Canção para uma menina
que nasceu na primavera

(Primeiro movimento: chuva)
Água escorre pelas escadas,
pelas calhas, pelas nuvens:
música das águas.

(Segundo movimento: sol e chuva)
O telhado brilha, a planta sua.
Gotas de luz, brisa vegetal:
dança das substâncias.

(Terceiro movimento: sol depois da chuva)
O pássaro canta, o cão espreguiça
e a garotinha corre pela grama:
na direção do arco-íris.