segunda-feira, 2 de maio de 2011

Ernesto Sábato: a morte de um grande.


Morreu o argentino Ernesto Sábato, seu cadáver está enterrado numa cova escura como os quadros que pintou. Morreu o escritor Ernesto Sábato, morreu um grande.

A morte é a sombra inseparável do homem, ainda mais aos 99 anos. A sombra da morte cobriu o homem Sábato no último sábado (30.04.2011), 55 dias antes dele completar 100 anos.

Semana passada iniciei a publicação de texto de e sobre Sábato. A idéia, que continua de pé, é divulgar o escritor argentino na perspectiva de um de seus leitores (eu). A diferença é que Sábato estava vivo e não está mais, o que não muda nada.

Pesquisando constatei que há pouca coisa na internet sobre Sábato, muito menos do que sua obra exige e requer. Agora o nome Sábato aparece espalhado pela mídia eletrônica, que noticia sua morte e esquece de sua obra. O ciclo vital de Sábato já aparece encerrado na enciclopédia eletrônica Wikipedia: “Ernesto Sábato (Rojas, 24 de junho de 1911 – Santos Lugares, 30 de abril de 2011) foi um romancista, ensaísta e artista plástico argentino”. Supreende como um homem passa imediatamente para o passado, o “é” virou “foi”. Mas há algo que escapa à superficialidade da mídia, homens como Sábato, através de suas obras, continuam sempre presentes. Ernesto Sábato estava certo quando afirmou que “seria melhor publicar um jornal a cada ano, ou a cada século. Ou quando ocorre algo verdadeiramente importante.” Nossa mídia está cada vez mais rápida e superficial.

No sábado eu comentava com amigos sobre as cartas trocadas pelos Ernestos, Sábato e Guevara. No domingo, quando repeti os comentários, me disseram que Sábato estava morto. Fiquei pensando que o escritor estava morrendo mais ou menos no momento em que eu publicava um trecho seu neste blog. É estranho imaginar isso. Ainda mais no caso de alguém querido, mas, pensando bem, fica como sinal de reconhecimento.

A sombra da morte é uma camada espessa que cobriu ou cobrirá todos os homens, mas não cobrirá a obra de alguns homens, um desses é Ernesto Sábato.

JC

2 comentários:

  1. Um grande escritor sem duvida, Ernesto sabato não morreu sem deixar muita coisa para a posteridade. Apesar de eu achar que por vezes a obra supera o autor. Como vc mesmo disse "sombra da morte é uma camada espessa que cobriu ou cobrirá todos os homens, mas não cobrirá a obra de alguns homens, um desses é Ernesto Sábato.", a obra nesse momento se torna imortal e acaba por imortalizar o proprio escritor. Obrigado Ernesto pela sua contribuição.

    O Anônimo de sempre

    ResponderExcluir
  2. Oi Anônim@ de sempre. Pelo jeito o Sábato é mais um escritor de que gostamos.

    Forte abraço.

    ResponderExcluir