sexta-feira, 27 de maio de 2011

Pablo Neruda - Canto Geral

Canto V - A areia traída
III
Sempre

Ainda que as passadas toquem mil anos este lugar,
não apagarão o sangue dos que aqui tombaram.

E não se extinguirá a hora em que tombastes,
ainda que milhares de vozes cruzem este silêncio.
A chuva há de empapar as pedras da praça,
mas não apagará vossos nomes de fogo.

Mil noites cairão com as suas asas escuras,
sem destruir o dia que esperam estes mortos.

O dia que esperamos ao longo do mundo
tantos homens, o dia final do sofrimento.

Um dia de justiça conquistada na luta,
e vós, irmãos tombados, em silêncio,
estareis conosco nesse vasto dia
da luta final, nesse dia imenso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário